06 de Janeiro de 2012

"a posteridade não me interessa em nada"

"toda a minha obra teatral foi escrita no fim do dia, quando eu já estava absolutamente estourado. (...) o que me falta é uma racha nas minhas obrigações e ao mesmo tempo um mínimo de resistência física para trabalhar além do que ja faço. quando acabo minhas obrigações cotidianas, já não dou mais nada."

"eu procuro dizer o que sinto e o que penso; isso é muito duro, um sujeito ter um mínimo de autenticidade. é preciso todo um esforço, toda uma disciplina, toda uma paciência beneditina porque somos todos uns falsários."

bem foda.

"mas esse cara era machista!"

era.

mas era um senhor escritor.

não dá pra misturar a obra com a vida pessoal. não assim.

o autor é o autor, o artista é o artista e a arte, bem, ela é a Arte.

enjoy.


Clara Averbuck é escritora

Instagram

  • Twitter
  • Facebook
  • RSS

Ilustrações: Eva Uviedo

hand made by: SENSO*