10 de Março de 2010

AH, A HUMANIDADE

ontem meu querido amigo vitor angelo fez uma matéria sobre minha inusitada participação no troca de família.

bom, já comecei a achar incômodo. não pelo vitor angelo ter escrito - adorei a matéria e ri um monte, mas em breve comprarei uma bengala misturando a do screamin' jay hawkins com a do tolouse-lautrec. tipo isso:


a bengala era oca e estava sempre cheia de absinto. grande anão

e isso:


i put a spell on you

pretendendo dar o uso que house MD dá à sua: enxotar gente. eu sei; fiz um reality show. unreality show. surreality show, se quiser. na tv aberta. fiz com plena consciência das conseqüências. mas também já sei me livrar de gente faz bastante tempo e minha primeira entrevista na tv foi com o clodovil, então não me preocupo muito. mas não posso deixar de me irritar com a ignorância e falta de senso de humor de quem fica comentando notícia e blog, julgando quem não conhece sem nem saber escrever direito. julgando decisões, julgando como a pessoa parece se portar, julgando pelas tatuagens, enfim, julgando porque são uns pobres coitados que não têm voz em mais nenhum lugar senão em... comentários. de internet. que triste. estimamos melhoras na vida.

todo mundo julga tudo. eu mesma estou fazendo isso neste momento. mas poucos tem essa capacidade. talvez eu mesma não tenha, mas a ré (opa) aqui sou eu, certo?

então quem veio aqui reclamar, assim,

e

You can't judge an apple by looking at a tree
You can't judge honey by looking at the bee
You can't judge a daughter by looking at the mother
You can't judge a book by looking at the cover
Oh can't you see, oh you misjudge me
I look like a farmer, but I'm a lover
You can't judge a book by looking at the cover
Oh come on in closer baby,
hear what else I gotta say!
You got your radio turned down too low
Turn it up!
You can't judge sugar by looking at the cane
You can't judge a woman by looking at her man
You can't judge a sister by looking at her brother
You can't judge a book by looking at the cover
Oh can't you see, oh you misjudge me
I look like a farmer, but I'm a Lover
You can't judge a book by looking at the cover
You can't judge a fish by lookin' in the pond
You can't judge right from looking at the wrong
You can't judge one by looking at the other
You can't judge a book by looking at the cover
Oh can't you see, oh you misjudge me
I look like a farmer, but I'm a lover
You can't judge a book by looking at the cover

grande bo diddley.
conhece?
devia.
não entendeu?
aprende inglês.

continua me achando a bruxa do 71?
olha mais uma fotinho pra aguçar os sentidos, gracinha. não sou modelo, não sou pelada wannabe e não quero ser perfeita. tenho celulite e sou metida a pin-up. sempre fui esquisita, meu nariz sempre foi grande, sempre fui diferente do padrão e não é agora que deixarei de ser. sou es-cri-to-ra e can-to-ra, é o que amo fazer e bom, é isso aí.

bons pesadelos.


moooooooooonstro, mamãe

mais tarde vou no aniversário do meu amigo stephan doitschinoff, um dos mais fudidões artistas no brasil, enquanto neguinho fica comentando matéria.


happy birthday, mr preeeeesideeeeeent

abracinho,
c.


Clara Averbuck é escritora

Instagram

  • Twitter
  • Facebook
  • RSS

Ilustrações: Eva Uviedo

hand made by: SENSO*