03 de Março de 2012

desert flower blues

eu perdi a capacidade de entrega. perdi. ia dizer que me roubaram e xingar aquele filho da puta de filho da puta mais uma vez, mas não sei, não sei nada, não sei se alguém tem culpa, não entendo essa nova forma de fracasso que se materializou na minha vida, isso de não conseguir fazer algo que quero muito. eu sinto muito - mas eu não sinto nada. como se tivessem arrancado todas as minhas entranhas e deixado só aquela ressaca maldita e amarga de não conseguir. não consigo. não sei como conseguir. não sei lidar com não saber. não dói. não dói porque eu não sinto mais nada. mentira, sinto sim. mas não sei onde fica. saudade de quando era uma porraloca que saía jogando tudo na mão dos outros sem nem saber se queriam segurar. sem nem saber se conseguiam. nunca conseguiram. e agora eu não sei mais fazer. não sei se desisto, se tento, se vou com calma, se esqueço, se corro, se fico, se me esbofeteio na tentativa de expulsar os nãos, se minto, se grito, se durmo, se desisto. meu deus, meu deus, cadê aquela pessoa que dizia que a vida sem isso era uma florzinha no deserto sabendo que ia morrer esturricada, cadê minhas tripas, cadê minha essência, cadê eu nessa porra dessa vida de merda que escolhi, cadê, cadê meu pulso, cadê meu sangue, cadê vida nessa vida de merda


Clara Averbuck é escritora

Instagram

  • Twitter
  • Facebook
  • RSS

Ilustrações: Eva Uviedo

hand made by: SENSO*