04 de Dezembro de 2010

EI, TÔ GATA?

E AÍ, TÔ GATA?

tô representando a mulher enquanto protagonista da própria vida, usando referências do universo pop e da música e criando um clima de contemporaneidade autoirônica?
.
.
.
é que existe o MELHOR TUMBLR DO UNIVERSO:
TÔ GATO?
O que pensam os gigantes da literatura antes de sair pra balada, inspirados pelas orelhas de seus próprios livros.

tipo o

DYLAN THOMAS

E assim, tô gato?

Tô assinalando minha poesia com forte luminosidade, mas ao mesmo tempo revelando carência, autodestruição e um indisfarçável egoísmo?

OU

PAUL AUSTER

Tô gato? Tô gatinho?

Tô criando um jogo de perspectivas móveis em que o leitor se pergunta se está do lado de dentro ou de fora, se o chão que pisa é ficção ou realidade, se o que presencia se passa no passado, presente ou futuro?

LARGA TUDO E VAI VER SE TÃO GATOS. SÉRIO.


Clara Averbuck é escritora

Instagram

  • Twitter
  • Facebook
  • RSS

Ilustrações: Eva Uviedo

hand made by: SENSO*