03 de Março de 2010

TROCA DE FAMÍLIA - A TRANSGRESSÃO

nunca na história deste programa permitiram que alguém tivesse acesso à internet. mas me deixaram das umas postadinhas. não todo dia porque a casa onde estou é erma e não existe internet nem perto. vou começar por ontem, meu primeiro dia:

...

ONTEM

eu sabia que era uma praia. tinha certeza. minhas entranhas me disseram. pessoas negaram. disseram acre e uruguaiana. não acreditei. sabia que era praia. eu não erro nessas coisas. cá estou eu na bahia. sim, bahia. nunca vim pra cá. arraial d'ajuda.
e com quem? UM MARINHEIRO INGLÊS COM DOIS FILHOS SENSACIONAIS. nos entendemos de cara - como em simpatizar e aliviar. só não nos deixam falar muito inglês - legenda não é legal, sabe, brasileiro não curte muito esse negócio de ler. a casa dele, meu povo, é um sonho. se pudesse trocava de casa, não de família. ele se chama jason e gosta de beber. o filho mais novo é o dillon, de 04 anos e o mais velho é ryan, de 11. estou de férias e não poderia ser mais feliz neste momento. férias. silêncio. mosquitos. gente boa. as amigas da daniela, a belíssima fotogênica esposa de jason, já ficaram minhas amigas apareceram para dar um olá. mosquitos. daniela é estilista faz umas roupas e trabalha em um bar. troquei bem de família. morria de medo de ir para a casa de um pm ou um freqüentador do NA. não. estou bem. acertaram a mão. agora dêem uma licencinha que vou tomar um banho de mar com meu maillot rosa-shocking com saiote. abracinho,

animais amigáveis e companheiros

mar, praia, silêncio, cerveja, um bar chamado sting e de repente dou de cara com um amigo de são paulo que vai tocar aqui amanhã. quais são as chances? cantarei. só melhora.
agora um beijinho,

morgando

ahhh

...

ontem me fizeram andar na chuva por causa de um setlist. hoje, como disse, cantarei. precisava fazer um setlist e não fazia idéia de como achar meu amigo senão no bar onde combinamos de nos encontrar. chovia. chovia pra cacete. caranguejos andavam felizes pelas ruas de areia enquanto eu e meu macacão rosinha transparente de tão molhado e meu cabelo ensopado tentávamos pegar carona. minhas sapatilhas preferidas foram arruinadas. a equipe queria que eu desistisse. eu? eu não. fui. na chuva. na areia. andei e andei cantando singin' in the rain. estou na bahia, não é uma chuva que vai me abalar. pedi carona. depois da sétima tentativa consegui, usando o método marilyn, que jamais falha, uma carona com o moço da van que levava até o centro. depois de entrar em todos os bares de arraial d'ajuda consegui encontrar meu amigo. ensopada. rá. a equipe também se molhou. não era vingança, é um reality show, não é? então pronto.
tomei umas cervejas, fizemos o setlist, comi uns camarões e fui pra casa dormir o sono dos exaustos.

como assim?

...

HOJE
acordei gripada. por que será? por causa da chuva? oh, talvez. estou com minhas homeopatias, meus antigripais, meu gengibre e meu própolis. nada me segura. fomos - eu, jason e dillon - de caiaque até uns recifes, conversamos, catamos conchinhas, vimos ermitões, corais voltando à vida, peguei uma corzinha contra a minha vontade, cortei meu pé no recife e remamos de volta. agora são quase duas da tarde e eu vou almoçar. mais tarde contarei mais.

feio

saudades dos meus amores,
espero que estejam bem,
espero que a esposa do jason esteja bem morra,
espero que sejamos todos amigos e possamos visitar uns aos outros.
espero que a equipe não me deixe mais na chuva - aliás, espero que não chova mais, chega - e queria dizer do fundo do meu coraçãozinho pacificado que a equipe é demais.

uma piscadinha de olho e uma vara por vez,

c.

horroroso!


Clara Averbuck é escritora

Instagram

  • Twitter
  • Facebook
  • RSS

Ilustrações: Eva Uviedo

hand made by: SENSO*